Bem vindo a blog do "Veleiro Belo", trata-se de uma construção amadora de um veleiro de 44 pés, um projeto Bruce Roberts, iniciado em Dezembro/2012. Não temos experiência nenhuma em construção naval, mas o barco esta avançando.....

"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink

sábado, 6 de maio de 2017

Agora sim......postagens em dia!!!

Olá amigos!!!
Hoje sim, vou colocar as postagens em dia!!
Sexta feira, eu bem que tentei, mas o nosso amigo Weynand e sua esposa Denise, nos tinha convidado para irmos a um restaurante japonês e a postagem acabou ficando pela metade.
 A comida estava ótima e a companhia do melhor ainda. 
Olha só o tamanho deste barco!!! 
E como sobrar comida boa é um sacrilégio, matamos ele todinho, acompanhado por uma garrafa de vinho!! O problema do exagero é o dia seguinte, agora estou aqui, escrevendo o blog com os olhos a meio mastro. kkkkk.  




Olha aí as grades do fogão!!! 
Esta era a grade da geladeira de um barco antigo (Sirocco), que foi adaptada para virar as grades do fogão. Ela tem aproximadamente 30 anos e esta perfeita.

Colocamos todos os pega-mãos no interior do barco.

Fomos distribuindo em diversos pontos do barco.
Ficaram vários na cozinha, cabines, banheiros, enfim, aonde fosse necessario.
Depois, eu, o Junior e o Jonas Mueller (que não podia faltar), testamos para ver se faltava em algum lugar. 
Testar se falta pega-mãos, com o barco em terra??? Pois é, parece absurdo....e foi!!! 
Tentamos simular um mar turbulento e saímos agarrando nos pega-mãos. Mas somente quando você vê o outro fazendo, é que percebe o ridículo da situação. Parecíamos mais, um bando de macacos bêbados. kkkkk!!! 
Mas não dá pra negar que foi divertido. Uma pena que acabei não filmando nada. 

 

 O Junior instalando o Chartplotter na mesa de navegação!!
Mas este não é qualquer chartplotter!!! 
Este foi desenvolvido pelo Junior. 
Isso mesmo!!!
Este chartplotter foi o Junior quem fez!!
O Junior além de construtor de barcos, é programador de computadores, além é claro, de mecanico, eletrecista e ainda lava roupas que é uma maravilha!!! O namorado perfeito!!
(Opa!! Desviei do assunto!!)
Mas, como eu estava dizendo, o Junior é programador de computadores, e depois de correr atrás, 
procurando um chartplotter , que coubesse no gosto e no bolso, (mas no bolso pra dizer a verdade), decidiu construir o próprio chartplotter. (Que orgulho!! 😍😍).
 Pesquisou, pesquisou, pesquisou, até encontrar um microcomputador chamado Raspberry. Ele é bem pequenininho, do tamanho de um cartão de credito e que o Junior conseguiu transformá-lo em um eletronico completo para o barco, com direito até ao AIS e tudo mais, já testado e aprovado. (Mais informações, drvjunior@hotmail.com ou pelo facebook Dymphnus Vermeulen). Do jeito que eu descrevo, até parece que foi facil, mas é beeemmm o contrario, foi difícil pra caramba. Foram várias noites, acordando de madrugada, pra encontrar o Junior com o nariz enterrado no computador, fazendo o dito cujo do programa funcionar. Até que depois, de meses de programação, ele conseguiu fazer um eletronico   bem completo e confiável.
Oba!!! Temos chartplotter!!!
Começou também outra saga....ESTOFADOS !!!
Com o dinheiro curto e todos os velejadores dizendo que pagaram uma pequena fortuna para fazerem os estofamentos no barco, decidi costura-los eu mesma. O problema é que euzinha aqui, não tenho a menor noção de costura.  Então começamos tirar o molde do sofa, que fizemos num papel grande. Colamos um papel cumprido no sofá e fomos desenhando em cima, depois recortamos e colocamos no lugar. Ajustamos o desenho e o corte até ficar bem certinho e depois voltamos para casa começar o próximo passo que era de cortar a espuma .
A espuma foi cortada de um colchão de solteiro que já tínhamos aqui em casa. Ele tinha 18 cm de altura, com densidade 33, novinho....deu até dó de cortar.
Tiramos a capa e quando fomos cortar....aff...cortar com o que?? As opções eram: Estilete curto ou faca cega. Então o Junior falou com o Joacir (nas fotos abaixo vocês vão vê-lo em ação) e perguntou se ele tinha um facão bem afiado. Ele, sempre solícito, encontrou um facão e afiou, mas afiou tanto, que cortava até pensamento. Legal!!! Com o facão em mãos, agora começava a segunda etapa, que era de dividi-los ao meio.
 Marcamos o meio com uma regua e caneta marca texto. Depois de tudo marcado, o Junior segurou o colchão e eu fui cortando. 
Vou confessar, que foi mais fácil do que eu imaginava.
Ficou bem bonito e as duas partes iguais (ou quase!!)
O problema foi a bagunça que fez. 
Tinha espuma picada no piso, nas cortinas, nas roupas, no cabelo.....era espuma que não acabava mais. (Ninquém merece!!)
Depois de cortado, colocamos o molde de papel em cima, riscamos a espuma e fizemos as almofadas. Levamos as almofadas no barco, colocamos no lugar e para a nossa alegria, deu certo de primeira. Mas agora vinha a pior parte... costurar!!
Eu e o Junior nos consideramos pessoas de muita sorte. Por mais que a construção do barco tenha sido um trabalho a quatro mãos, sempre pudemos contar alguns anjos e gurus. Um dos gurus foi e continua sendo o Zilmar Franzen, do estaleiro Franzen, ele foi mais que um guru, foi uma espécie de oráculo e nos tirou de muito enrosco, então, se você pretende construir um barco, não deixe de consultá-lo. Fica a dica!!
Outro guru e grande amigo, é o Jorge Dias do veleiro Furioso. O fato dele já ter construido um veleiro, acabou por nos dar muita dica valiosa. E anjos, ahhh, esses nós tivemos varios, O egon Mueller, o Japa pinturas, o Jonas Mueller, que está sempre conosco, nos dando a maior mão. 
E mais um desses anjos foi a Mari (Marines Verschoor, foto abaixo).

A Mari tem uma loja de tecidos, aqui em Carambeí e também dá aulas de costura.  De manhã, bem cedinho, apareci na loja dela atrás de tecido. Ela muito atenciosa me perguntou pra que era o tecido e eu expliquei que era para os estofados do barco. A primeira dica foi: Vai no Nei estofador, que ele faz no capricho e com um preço bom. Como eu disse que o dinheiro estava curto, ela me fez uma oferta maravilhosa: 
 "- Você sabe que eu dou aula de costura, né ? Mas como eu quero ver este barco ir pra agua, vou te ensinar a fazer as costuras das almofadas de graça!!"
Imaginem a minha alegria! 
Resultou que, em alguns minutos e com dicas ótimas, saí dela cheia de confiança para costurar os estofados.
Mas no meio do caminho, paramos para comprar ração para os cachorros e encontramos outra amiga, que mora pertinho da agropecuária. Contamos pra ela a história dos estofados e ela, mais que depressa disse: "- Leva no Nei. Ele é bem legal, trabalha bem e vai fazer um preço bom pra vocês. "
O quê??? Duas pessoas no mesmo dia e dando a mesma dica?? Só pode ser um sinal divino. Resultado...saímos de lá, direto pra estofaria do Ney. 
Não poderíamos ter feito escolha melhor. O Ney é realmente tudo o que disseram e mais. Pessoa atenciosa, carinhosa e os trabalhos prontos eram ótimos. Marcamos de encontrar com ele a tarde, no barco, para dar uma olhadinha e ver o que podia fazer.
A Tarde ele apareceu como combinado (coisa rara, hoje em dia). 
Olha o Ney aí!!
Por mais que eu quisesse os estofados feito por um profissional, eu sabia que não seria um trabalho barato, então preferi não guardar muitas esperanças.
Quando o Ney chegou, fui logo dizendo.
"- Sei que este trabalho não é facil e valorizo muito. Sei também, que não sai barato e com razão. Mas tenho que te avisar, antes que você gaste seu tempo a tôa. A construção do barco saiu mais caro do que planejávamos e agora a grana ficou curta. Por mais que eu gostasse de ter as almofadas feitas por você, se ficar muito caro, farei eu mesma."
Pra minha surpresa, o Ney respondeu:
"- Eu gostaria de saber, que tem almofadas minhas, viajando pelo Caribe. Então vou faze-las como um presente pra vocês!"
Juro.....me deu vontade de chorar de alegria!!!
Acabou que ganhamos as almofadas e um amigo. E o Belo, mais um anjo!!
Depois disso, eu e o Junior fomos pra casa e eu comecei a costurar os forros das almofadas, com a tecnica que a Mari me ensinou, pra no dia seguinte entregarmos tudo bem organizado para o Ney fazer as capas.
Agora é só esperar!! 
Não vejo a hora de chegar, para postar as fotos para vocês!!


Olha aí o Ney, tirando medidas e fazendo anotações.

Outra coisa que estava nos tirando o sono, na realidade, tirando o sono do Junior, porque esse é o departamento dele, confesso que de hélice e eixo, intendo muito pouco.
 Então, o Junior perdeu noites e noites de sono, tentando achar um jeito de fazer com que o buraco do túnel do eixo ficasse reto e no angulo certo. 
Primeiro o Junior encomendou com o Paulo torneiro, uma broca com 45 cm de comprimento, que  teve que ser aumentado para 56 cm. O Joacir veio até o barco e conseguiu fazer o furo guia. Demorou uma tarde, mas ficou perfeito. Agora faltava abrir o tunel. Pra isso, foi adaptado uma serra copo na ponta de uma haste de 56 cm. 
O buraco teve que ser feito bemmm devagarinho. 
Abre um buraco com a serra copo, e vai limpando o material de dentro, abre mais um pedaço e limpa novamente, até chegar ao motor. 
O resultado foi, um tunel perfeito e bem alinhado.
Valeu Joacir!!!

Esta semana, saímos atras do inox para construir o eixo e o tunel. Encontramos tudo facilmente, mas faltava um pedacinho de bronze grafitado para uma bucha, que fica entre o eixo e a hélice. 
O porque do bronze ser grafitado é simples, se a bucha fosse feita de bronze comum, a hélice iria cantar. 
Isso mesmo, a hélice que é de bronze, em atrito com uma bucha também de inox, canta muito, o suficiente para enlouquecer quem está a bordo. Mais uma dica valiosa do nosso Zilmar.
O problema é que o bronze grafitado é caro pra dedéu. Uma buchinha de 5 cm custou quase trezentos reais. 
Aff!!! Ja pedi para o Junior, um anél de bronze grafitado de presente. Coisa chique. kkkk
Olha a hélice, com o eixo e o tunel aí!!! E a buchinha (cara) e aquela coisinha, pequenininha, atras da hélice. Dá pra acreditar???

Compramos as baterias.
São tres baterias de 180, e mais uma pequena de 70, para o motor.
Quantidade suficiente para suprir as necessidades do barco.
O banco de baterias foi instalados embaixo da cama da cabine de popa e sobrou espaço para mais duas futuramente.
As baterias grandes foram ligadas em paralelo.


Não sei se era necessário, mas fizemos uma grade de ventilação, embaixo das baterias.


Com as baterias instaladas, agora era hora de fazer o guincho de ancora funcionar.
Deixamos uma janela de facil acesso no forro da cabine de proa, para a contatora do guincho de ancora.

O Junior fez todas as ligações necessárias.



Pra finalizar, instalamos o fusível de proteção, que vem junto com o guincho de ancora, na cama da popa e....



...o guincho funcionou. 

video
  

Por hoje é só.
Logo que tenha novidades, posto aqui.

Abraços a todos e bons ventos!!


Ana e Junior















Um comentário:

  1. Show ana e Jr. O plotter de rasberry PI é bom, que se der qualquer problema o Jr mesmo vai saber arrumar. E se não tiver como arrumar sai baratinho comprar outro. abraço e bons ventos

    ResponderExcluir